home Direito e cidadania, Economia, Eleicoes, Policia, Política Leia o despacho da Juíza de SP que envia denúncia e pedido de prisão de Lula no caso Triplex ao juiz Sérgio Moro – Lava Jato – #SaiDilma

Leia o despacho da Juíza de SP que envia denúncia e pedido de prisão de Lula no caso Triplex ao juiz Sérgio Moro – Lava Jato – #SaiDilma

André Guilherme Vieira | Valor

SÃO PAULO – A juíza Maria Priscilla Veiga, da 4ª vara criminal de São Paulo, decidiu que os pedidos de prisão preventiva e de abertura de processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por supostos crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica decorrentes do tríplex do Guarujá (SP), são de competência da Justiça Federal do Paraná.Ela encaminhou os autos de 179 páginas para o juiz Sergio Moro, titular da Operação Lava-Jato na primeira instância da Justiça Federal do Paraná.

“Como é público e notório, tramitam perante aquela vara os processos da chamada ‘Operação Lava-Jato’, mencionada pelos denunciantes em sua peça”, disse a juíza, em seu despacho.

O pedido de prisão preventiva e a denúncia contra Lula foram feitos pelo Ministério Público estadual de São Paulo. Os promotores José Carlos Blat, Cassio Conserino e Fernando Henrique Araújo sustentam que os delitos atribuídos a Lula ocorreram porque o ex-presidente seria o beneficiário de um tríplex construído e reformado pela OAS, após a falência Bancoop – cooperativa de bancários de São Paulo anteriormente responsável pelo empreendimento Condomínio Solaris. O ex-presidente nega a propriedade do imóvel.

Com a decisão da juíza, a investigação sobre Lula conduzida pelos promotores paulistas sai da competência estadual.

Leia a decisão na integra

Autos nº 0017018-25.2016.8.26.0050
Vistos
O Ministério Público do Estado de São Paulo propôs ação
penal contra JOSÉ ALDEMÁRIO PINHEIRO FILHO (LÉO PINHEIRO),
IGOR RAMOS PONTES, FÁBIO HORI YONAMINE, LUIGI PETTI,
TELMO TONOLLI, ROBERTO MOREIRA FERREIRA, VITOR
LEVINDO PEDREIRA, CARLOS FREDERICO GUERRA ANDRADE,
MARISA LETÍCIA LULA DA SILVA, LUIZ INÁCIO LULA DA
SILVA, FÁBIO LUIZ LULA DA SILVA, JOÃO VACCARI NETO,
ANA MARIA ÉRNICA, VAGNER DE CASTRO, IVONE MARIA DA
SILVA e LETÍCIA CHUR ANTONIO.
Em síntese, imputa aos denunciados JOSÉ ALDEMÁRIO,
FÁBIO HORI YONAMINE, LUIGI PETTI, TELMO TONOLLI,
ROBERTO MOREIRA FERREIRA, VITOR LEVINDO PEDREIRA,
CARLOS FREDERICO GUERRA ANDRADE, JOÃO VACCARI NETO,
ANA MARIA ÉRNICA, VAGNER DE CASTRO E IVONE MARIA DA
SILVA prática de inúmeros delitos de estelionato, pois teriam obtido
vantagem ilícita, em prejuízo de diversas vítimas, mediante artifício,
estelionatos estes ligados a empreendimentos da empresa BANCOOP,
primordialmente quando da transmissão das obrigações imobiliárias para a
empresa OAS Empreendimentos S/A, bem como com cobranças indevidas
de taxa de eliminação e demissão, fora das hipóteses legais, e ainda com
vendas de coisa alheia como própria.
Denunciam ainda JOSÉ ALDEMÁRIO, FÁBIO HORI
YOMAMINE, LUIGI PETTI, TELMO TONOLLI, ROBERTO MOREIRA
FERREIRA, JOÃO VACCARI NETO, ANA MARIA ÉRNICA,
VAGNER DE CASTRO, IVONE MARIA DA SILVA por infração ao art.
288 do CP (associação criminosa).
Por outro lado, JOSÉ ALDEMÁRIO PINHEIRO FILHO,
FABIO HORI YONAMINE, LUIGGI PETTI, TELMO TONOLLI,
VITOR LEVINDO PEDREIRA, CARLOS FREDERICO GUERRA
ANDRADE, JOÃO VACCARI NETO, VAGNER DE CASTRO, IVONE
MARIA DA SILVA, LETÍCIA ACHUR ANTONIO, ROBERTO
MOREIRA FERREIRA foram denunciados por infração ao art. 299 do CP,
pois teriam omitido declarações que deveriam fazer constar em documentos
particulares – atas de assembleia – e fizeram declarações falsas ou diversas
das que deveriam ser escritas.
Ademais, JOSÉ ALDEMÁRIO PINHEIRO FILHO, JOÃO
VACCARI NETO foram denunciados como incursos nas penas do art. 1º,
VII, da Lei nº 9.613/98 c.c. art. 1º da Lei nº 12.683/12, enquanto IGOR
RAMOS PONTES, FÁBIO HORI YONAMINE, ROBERTO MORERIA
FERREIRA foram denunciados como incursos no art. 1º da Lei
nº12.683/12 (lavagem de dinheiro).
LUIGGI PETTI, ROBERTO MOREIRA FERREIRA, VITOR
LEVINDO PEDREIRA, CARLOS FREDERICO GUERRA ANDRADE e
JOÃO VACCARI NETO foram denunciados como incursos no art. 65 da
Lei nº 4.591/65, por delitos contra a incorporação imobiliária por terem
supostamente feito afirmação falsa sobre a construção do condomínio
“A´bsoluto”.
JOSÉ ALDEMÁRIO PINHEIRO FILHO, LUIGGI PETTI,
TELMO TONOLLI, JOÃO VACCARI NETO, ANA MARIA ÉRNICA,
VAGNER DE CASTRO, IGOR RAMOS PONTES, FÁRBIO HORI
YONAMINE, ROBERTO MOREIRA FERREIRA e FÁBIO LUIZ LULA
DA SILVA teriam ocultado a propriedade do imóvel 164-A do
Condomínio Solaris, Edifício Salinas, situado na Avenida Gabriel Monteiro
de Barros, 656, Astúrias, Guarujá, em benefício de MARISA LETÍCIA
LULA DA SILVA e LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA.
Finalmente, MARISA LETÍCIA LULA DA SILVA e FÁBIO
LUIZ LULA DA SILVA foram denunciados como incursos no art. 1º da
Lei nº 12.683/12, o último combinado com o art. 29 do CP (crime de
lavagem de dinheiro) enquanto o ex-Presidente da República, LUIZ
INÁCIO LULA DA SILVA, foi denunciado por infração ao art. 1º, “caput”
da Lei nº 12.683/12 e art. 299 do CP, este porque no ano de 2015 teria
supostamente feito declaração falsa em seu imposto de renda, consignando
falsamente a propriedade de uma “cota-parte do imóvel 141” do Edifício
Salinas, do Condomínio Solaris, que nunca lhe pertencera (lavagem de
dinheiro e falsidade ideológica).
É o breve relatório da denúncia.
DECIDO.
É caso de declinação da competência para o Juízo da 13ª Vara
Federal de Curitiba/PR, o que faço com base no art. 76, II e III, do Código
de Processo Penal.
E para justificar minha decisão, junto a este processo cópia da
decisão do Exmo. Sr. Juiz Federal SÉRGIO FERNANDO MORO, extraída
do site próprio (www.jfpr.jus.br), nos autos do pedido de Busca e
Apreensão Criminal nº5006617-29.2016.4.04.7000/PR.
Como é público e notório, tramita perante aquela Vara os
processos da chamada “Operação Lavajato”, mencionada pelos
denunciantes em sua peça.
A decisão acima mencionada foi proferida pelo MM. Juiz
Federal Dr. Sergio Moro no dia 24 de fevereiro de 2016 e após o
cumprimento das medidas lá determinadas, consigna o magistrado o
levantamento do segredo de justiça da decisão, pelo que neste momento a
colaciono nos autos e utilizo como base para esta decisão.
A alegação central feita nestes autos é que “a família Lula da
Silva foi beneficiada com um tríplex no Guarujá”, mencionando os doutos
Promotores de Justiça denunciantes que “para fins de comprovação do
liame subjetivo, diligências acerca da triangulação OAS, Lula e sítio de
Atibaia (de atribuição do Ministério Público Federal) e lá constatamos que
também a OAS, por Paulo Godilho, comprou armários planejados para a
cozinha e para a área de serviço tudo levado a crer que o modus operandi é,
justamente, esse ocultar-se e beneficiar-se patrimonialmente” (fls. 62 da
denúncia).
Narram os denunciantes, assim e em resumo, que a OAS teria,
com dinheiro obtido ilicitamente, beneficiado LUIZ INÁCIO LULA DA
SILVA, MARISA LETÍCIA LULA DA SILVA e o filho do casal, FABIO
LUIZ LULA DA SILVA, com o tríplex no Guarujá. Contudo, não detalha a
acusação a origem, o motivo para tal favorecimento, apenas diz que ele
ocorreu, mas não indica por que os demais denunciados teriam cedido um
apartamento à ex-família presidencial.
Como se verifica da decisão em anexo, da 13ª Vara Federal de
Curitiba/PR, nos processos da “Operação Lavajato” houve quebras de
sigilo bancário, bem como apreensão de documentos nas empreiteiras
Odebrecht e OAS que comprovariam os pagamentos de vultosas quantias
ao ora denunciado LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA por palestras,
principalmente no exterior, como US$ 200.000,00 líquidos, valores que,
expressivos, chamam a atenção, pelo que estão sendo objeto de
investigação.
Contudo, o cerne da investigação seriam os “favores”
indevidos recebidos pelo ex-Presidente da República, dentre os quais está o
tríplex no Guarujá que é o centro da acusação contra o ex-Presidente e sua
família nestes autos.
Narra o magistrado federal Sergio Fernando Moro em sua
decisão que “Apesar das suspeitas em relação a esses
pagamentos, os elementos probatórios mais relevantes até o
momento colhidos estão aparentemente relacionados com o
recebimento subreptícios de favores pelo ex-Presidente das
empreiteiras envolvidas no esquema criminoso da Petrobrás.
Com efeito, prosseguindo em sua representação, o
MPF aponta elementos probatórios que geram fundada suspeita
de que o ex-Presidente teria recebido benefícios materiais,
de forma subreptícia, de empreiteiras envolvidas na
Operação Lavajato, especificamente em reformas e
benfeitorias de imóveis de sua propriedade. Também
presentes suspeitas de que o ex-Presidente seria o real
proprietário de dois imóveis em nome de pessoas
interpostas. Um dos imóveis seria o apartamento 164-a, do
Condomínio Solares, com endereço na Av. General Monteiro de
Barros, nº 638, no Guarujá/SP. Segundo matrícula 104.801 do
Registro de Imóveis de Guarujá, o imóvel ainda encontra-se
no nome de uma das empresas do Grupo OAS, a OAS
Empreendimentos (evento 1, arquivo out68). Esclareça-se que
o apartamento e o próprio prédio em questão eram
empreendimento imobiliário conduzido pelo Bancoop –
Cooperativa Habituacional dos Bancários do qual João
Vaccari Neto, ex-Secretario de Finanças do Partido dos
Trabalhadores, já foi Diretor Financeiro, atualmente
respondendo, por sua gestão, juntamente com outros por ação
penal na Justiça Estadual de São Paulo (processo crime
1607/2010, 5ª Vara Criminal da Justiça Estadual de Barra
Funda, São Paulo/SP). Não obstante, pelas dificuldades da
Bancoop, o empreendimento foi assumido pela própria OAS no
ano de 2009, que se encarregou de finalizá-lo. Apesar da
OAS figurar na matrícula como proprietária do apartamento,
foram identificados diversos elementos probatórios no
sentido de que ele já havia sido destinado ao ex-
Presidente. Extraio da própria síntese do MPF: “(a)
depoimentos colhidos apontam que LULA e sua familia
visitaram o imovel, e no seu interesse foram conduzidas
reformas no apartamento; (b) de maneira completamente
incomum, a OAS arcou com elevadas despesas para reformar o
imovel (mais de R$ 750.000,00); (c) de maneira
completamente incomum, a OAS arcou com elevadas despesas de
instalacao de moveis na cozinha e dormitorios do
apartamento (cerca de R$ 320.000,00); (d) funcionaria da
empresa que realizou a reforma no apartamento confirmou a
participacao da esposa e do filho de LULA em reuniao com
executivos da OAS para tratar de detalhes da obra; (e) as
notas publicas de LULA sobre a propriedade do triplex no
Guaruja nao guardam pertinencia logica com a estrutura
negocial construida pela OAS no CONDOMÍNIO SOLARIS.”
Afirmaram a vinculação do ex-Presidente e de sua família
com o apartamento, pelo menos através de visitas ao local,
diversas testemunhas, como o zelador do prévio, a porteira
do prédio, o síndico do prédio, dois engenheiros da OAS,
dirigentes e empregado de empresa contratada para a reforma
do apartamento, Depois que os fatos vieram a público, o
Instituto Lula publicou nota, em 14/08/2015, informando que
a esposa do ex-Presidente não seria proprietária do imóvel,
mas sim seria titular de cota do empreendimento da Bancoop,
mas que não teria feito a opção pela compra do imóvel ou
pelo ressarcimento do valor quando ele, o empreendimento,
foi transferido à OAS (evento 1, out91). Entretanto, o
álibi, como aponta o MPF, parece ter pouca consistência com
os fatos. Consta que a OAS, ao assumir o empreendimento
Solaris (denominado anteriormente Mar Cantábrico), em
08/10/2009, concedeu aos cooperados da Bancoop o prazo de
30 dias para optar pelo ressarcimento dos valores até então
pagos à Bancoop ou celebrar contrato de compromisso de
compra e venda de unidade e prosseguir no pagamento do novo
saldo devedor (evento 1, out92). Em petição apresentada
pela OAS em 29/08/2011 ao Ministério Público do Estado de
São Paulo, a empreiteira ainda informou que todos os
apartamentos do Condomínio Solareis haviam sido vendidos e
que os cooperados passaram a ter unidades habitacionais
determinadas (evento 1, out93). Transcrevo trecho da
petição da OAS: “Os respectivos cooperados passaram assim
de detentores de um termo de adesão a empreendimento, sem
prazo certo para entrega de obra, sem definição clara de
valor a ser pago e muitas vezes sem identificação da
unidade autônoma adquirida, para a condição de titulares de
direitos aquisitivos, com contrato firmado, memorial de
incorporação registrado, unidade devidamente identificada,
valor definido a ser pago e prazo certo para entregada das
obras.
Mas acima disto, consta prova documental de que a
OAS Empreendimentos realizou gastos significativos com a
reforma do apartamento 164-A, inclusive a instalação de um
elevador privativo. Segundo o apurado, o valor global da
reforma teria sido de cerca de R$ 777.189,13 durante o ano
de 2014. Adicionalmente, a OAS teria gasto com a instalação
da cozinha do apartamento cerca de R$ 287.000,00 durante o
ano de 2014 junto à empresa Kitchens Cozinhas e Decorações
Ltda. Argumenta o MPF que fariam pouco sentido gastos tão
expressivos para o apartamento pela OAS, incluindo a
instalação de elevador privativo, para unidade imobiliária
sem proprietário ou comprador determinado. Tampouco faria
sentido que a reforma fosse conduzida com visitas e
reuniões de familiares do ex-Presidente, juntamente com o
Presidente da OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, vulgo Léo
Pinheiro, Agregue-se que o MPF levantou a informação, com
diretores da OAS, de que a empresa não tem por praxe
realizar a personalização de apartamentos para clientes ou
a instalação de cozinhas nos apartamentos que comercializa
e igualmente que, em relação ao Condomínio Solareis, o
referido apartamento 164-A foi o único que sofreu esse tipo
de intervenção (fls. 48-49 da representação). Então, as
provas, em cognição sumária, são no sentido de que a OAS
Empreendimentos preparou o referido apartamento 164-A para
utilização pelo ex-Presidente Luis Inácio Lula da Silva e
seus familiares, com gastos, por sua conta (da OAS), de
cerca de um milhão de reais em reforma e móveis, apesar de
manter o imóvel registrado em nome da própria OAS.”
(grifei).
Desta forma, têm-se que nos processos da “Operação
Lavajato” são investigadas tanto a cessão do tríplex no Guarujá ao ex-
Presidente e sua família, bem como as reformas em tal imóvel, ao contrário
do sustentado na denúncia, e ainda a mesma situação com o notório Sítio
na Comarca de Atibaia, ambos no Estado de São Paulo, após minucioso
trabalho da Polícia Federal e do Ministério Público Federal.
Naqueles processos, mencionados pelo magistrado Moro em
sua decisão, houve, inclusive, interceptação telefônica:
“O fato da OAS ter pago a aquisição e a
instalação de cozinha tanto para o apartamento no Guarujá
como para o sítio em Atibaia dificilmente pode ser
atribuído à coincidência. Aliás, foi identificada no
aparelho celular utilizado pelo Presidente da OAS, José
Aldemário Pinheiro Filho, vulgo Léo Pinheiro, troca de
mensagens, em 12 e 13/02/2014, com Paulo Cesar Gordilho,
Diretor da OAS, da qual é possível inferir que os
destinatários das cozinhas tanto do sítio como do
apartamento seriam o ex-Presidente e a ex-PrimeiraDama (fl.
49 da representação) : “Paulo Gordilho: O projeto da
cozinha do chefe tá pronto se marcar com a Madame pode ser
a hora que quiser. Léo Pinheiro: Amanhã as 19hs. Vou
confirmar. Seria nom tb ver se o de Guarujá está pronto.
Paulo Gordilho: Guarujá também está pronto. Leo Pinheiro:
Em princípio amanhã as 19hs. Paulo Gordilho: Léo. Está
confirmado? Vamos sair de onde a que horas? 4 – Leo
Pinheiro: O Fábio ligou desmarcando. Em princípio será as
14hs na segunda. Estou vendo. pois vou para o Uruguai.
Paulo Gordilho: Fico no aguardo. Leo Pinheiro: Ok.”
(grifei).
Prossegue o magistrado na decisão:
“A aparente ocultação e dissimulação de
patrimônio pelo ex-Presidente, o apartamento e o sítio, as
reformas e aquisições de bens e serviços, em valores
vultosos, por empreiteiras envolvidas no esquema criminoso
da Petrobrás, necessitam ser investigadas a fundo. Também o
último fato, o armazenamento de bens do ex-Presidente, com
os custos expressivos arcados pela OAS, necessitam melhor
apuração.
Em princípio, podem os fatos configurar crimes de
corrupção e de lavagem de dinheiro no contexto do esquema
criminoso que vitimou a Petrobrás. Tais episódios reforçam
a necessidade de também aprofundar as investigações sobre
as relações entre as empreiteiras envolvidas no esquema
criminoso da Petrobrás com o Instituto Lula e a empresa
LILS Palestra, bem como em relação a associados do ex-
Presidente. Embora o ex-Presidente mereça todo o respeito,
em virtude da dignidade do cargo que ocupou (sem prejuízo
do respeito devido a qualquer pessoa), isso não significa
que está imune à investigação, já que presentes
justificativas para tanto. Apesar do MPF ter reunido um
acervo considerável de provas, especialmente em relação ao
apartamento e o sítio, a complexidade dos fatos, encobertos
por aparentes falsidades e pela utilização de pessoas
interpostas, autoriza o aprofundamento das investigações.”
(grifei).
E finalmente, justifica o Dr. Sergio Moro sua competência
para o processamento dos delitos:
“Esclareça-se, por fim, que a competência para o
feito é deste Juízo. A investigação abrange crimes de
corrupção e lavagem de dinheiro transnacional, com
pagamento de propinas a agentes da Petrobrás em contas no
exterior e a utilização de expedientes de ocultação e
dissimulação no exterior para acobertar o produto desse
crime. Embora a Petrobrás seja sociedade de economia mista,
a corrupção e a lavagem, com depósitos no exterior, têm
caráter transnacional, ou seja iniciaram-se no Brasil e
consumaram-se no exterior, o que atrai a competência da
Justiça Federal. O Brasil assumiu o compromisso de prevenir
ou reprimir os crimes de corrupção e de lavagem
transnacional, conforme Convenção das Nações Unidas contra
a Corrupção de 2003 e que foi promulgada no Brasil pelo
Decreto 5.687/2006. Havendo previsão em tratado e sendo os
crimes transnacionais, incide o art. 109, V, da
Constituição Federal, que estabelece o foro federal como
competente. Além disso, a suspeita do MPF é a de que os
benefícios concedidos pelas empreiteiras ao ex-Presidente
estejam relacionados ao esquema criminoso da Petrobrás, o
que, por sua condição, tendo parte dos fatos ocorrido
durante o mandato presidencial, justifica, por si só, a
competência federal. Por outro lado, como adiantado, a
investigação do esquema criminoso, com origem nos
inquéritos 2009.7000003250-0 e 2006.7000018662-8, iniciouse
com a apuração de crime de lavagem consumado em
Londrina/PR, sujeito, portanto, à jurisdição desta Vara,
tendo o fato originado a referida ação penal 5047229-
77.2014.404.7000, havendo conexão e continência entre todos
os casos da Operação Lavajato. No presente momento, aliás,
é muito difícil negar a vinculação entre todos esses casos
que compõem o esquema criminoso que vitimou a Petrobrás”
(grifei).
E é, de fato, inegável a vinculação entre todos esses casos da
“Operação Lavajato”, assim como o é a vinculação daqueles a este
processo – em que é imputada a prática de crimes a várias pessoas pela
cessão do apartamento ao ex-Presidente e sua família – sem que o MPSP
tenha indicado a origem do favorecimento perpetrado, o motivo dos demais
denunciados para beneficiarem o ex-Presidente e sua família, como acima
já ponderado, e justamente porque a suspeita de acordo com o MPF nos
processos daquela operação, é que tal benesse derive dos supostos
benefícios obtidos pelas empreiteiras no esquema que vitimou a Petrobrás,
que é de competência do Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba/PR.
Tal conduta do ex-Presidente – receber um imóvel e as
melhorias feitas com a reforma – podem configurar delito de corrupção
passiva ou lavagem de dinheiro, mas não há qualquer nexo a amparar a
cisão pretensa das investigações do MPF e o eventual processamento pelo
Juízo prevento, a 13ª Vara Federal de Curitiba/PR, como pretendido com a
apresentação desta denúncia, até porque não houve demonstração, nem
mesmo menção na peça acusatória inicial, de que o ex-Presidente tinha
ciência dos estelionatos perpetrados pelos denunciados no chamado
“Núcleo Bancoop” pelos promotores denunciantes e que daí decorreria a
lavagem de dinheiro.
Está demonstrado no caso que a suspeita é que houve prejuízo
à União Federal, com nexo etiológico com a conduta de seus agentes.
Pelo que consta daquelas investigações e processos, e do que
decorre logicamente das imputações feitas nesta demanda, a lavagem de
dinheiro teria como crime antecedente desvios da Petrobrás. Inexiste na
narrativa da denúncia ora apresentada, repise-se, a origem do
favorecimento ao ex-Presidente da República e sua família, e tal vínculo,
como também já ponderado, está contido nos processos que tramitam na
“Operação Lavajato”, em que se apura a suspeita de os favores derivarem
dos benefícios aferidos pelas empreiteiras no esquema que vitimou a
Petrobrás, com envolvimento de agentes da União e em decorrência do
cargo ocupado pelo ex-Presidente.
Por outro prisma, ainda que as benesses possam ter ocorrido
após sua saída do cargo, quer sejam eventualmente decorrentes do esquema
estelionatário da BANCOOP como aqui sustentado, ou dos desvios da
Petrobrás como defendido pelo MPF, pelo envolvimento do cargo de
Presidente da República, a competência é da Justiça Federal.
O pretendido nestes autos, no que tange às acusações de
prática de delitos chamados de “Lavagem de Dinheiro” é trazer para o
âmbito estadual algo que já é objeto de apuração e processamento pelo
Juízo Federal da 13ª Vara Federal de Curitiba/PR e pelo MPF, pelo que é
inegável a conexão, com interesse probatório entre ambas as demandas,
havendo vínculo dos delitos por sua estreita relação.
“ (…) a conexão probatória encontra seu fundamento
na manifesta prejudicialidade homogênea que existe. Se
a prova de uma infração influi na prova de outra, é
evidente deva haver unidade de processo e julgamento,
pois, do contrário, teria o juiz que suspender o
julgamento de uma, aguardando a decisão quanto à
outra.” (TOURINHO FILHO, 1979, p. 169-170).
E ainda no mesmo sentido, de que ocorre conexão
instrumental ou probatória:
“quando a prova de uma infração ou de qualquer de suas
circunstâncias elementares influir na prova de outra
infração. O exemplo clássico citado
pela doutrina é a relação existente entre o furto e a
receptação. É evidente que o termo “influir” é
extremamente genérico e é possível então criticar esta
cláusula aberta que gera insegurança no sistema.” –
Guilherme Madeira Dezem, Curso de Processo Penal, 2ª.
Ed., RT, pg.381).
Ademais, ao ex-Presidente LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
é imputada a conduta de infração ao tipo do art. 299 do CP porque ele teria
feito declaração falsa em seu imposto de renda, consignando falsamente a
propriedade de uma “cota-parte do imóvel 141” do Edifício Salinas, do
Condomínio Solaris, que nunca lhe pertencera.
Tal conduta, no entanto, é crime meio para o crime contra a
ordem tributária em que o ex-Presidente em tese está incurso, já que teria
feito declaração falsa ao FISCO FEDERAL, subsumindo-se pois ao artigo
1º, I, da lei 8.137/90, que dispõe:
“Art. 1º Constitui crime contra a ordem tributária
suprimir ou reduzir tributo, ou contribuição social e
qualquer acessório, mediante as seguintes condutas:
I – omitir informação, ou prestar declaração falsa às
autoridades fazendárias (…)”.
É exatamente a conduta atribuída nesta denúncia a LUIZ
INÁCIO LULA DA SILVA, consignando os denunciantes a fls. 94 que o
denunciado “consignou falsidade em seu imposto de renda”.
Considerando que a declaração falsa foi prestada à RECEITA
FEDERAL, na declaração anual de imposto de renda, a competência para
processamento é da Justiça Federal, a teor do art. 109, I, da Constituição
Federal, e é entendimento majoritário de que a falsidade ideológica é
absorvida pelo delito da ordem tributária, justamente porque crime meio.
Neste sentido:
PRINCÍPIO DA CONSUNÇÃO – Crime contra a ordem
tributária e falsidade ideológica. Ao aplicar a Súmula
Vinculante 24 (“Não se tipifica crime material contra
a ordem tributária, previsto no artigo 1º, incisos I a
IV, da Lei nº 8.137/90, antes do lançamento definitivo
do tributo”), a Turma deferiu habeas corpus para
determinar, por ausência de tipicidade penal, a
extinção do procedimento investigatório instaurado
para apurar suposta prática de crimes de falsidade
ideológica e contra a ordem tributária. Na espécie, o
paciente, domiciliado no Estado de São Paulo, teria
obtido o licenciamento de seu veículo no Estado do
Paraná de modo supostamente fraudulento – indicação de
endereço falso -, com o fim de pagar menos tributo,
haja vista que a alíquota do IPVA seria menor.
Inicialmente, salientou-se que o STJ reconhecera o
prejuízo do habeas lá impetrado, em face da concessão,
nestes autos, de provimento cautelar. Em seguida,
observou-se que a operação desencadeada pelas
autoridades estaduais paulistas motivara a suscitação
de diversos conflitos de competência entre órgãos
judiciários dos Estados-membros referidos, tendo o STJ
declarado competente o Poder Judiciário paulista.
Aquela Corte reconhecera configurada, em contexto
idêntico ao dos autos do writ em exame, a ocorrência
de delito contra a ordem tributária (Lei 8.137/90), em
virtude da supressão ou redução de tributo, afastada a
caracterização do crime de falsidade ideológica (CP,
artigo 299). Reputou-se claro que o delito
alegadamente praticado seria aquele definido no artigo
1º da Lei 8.137/90, tendo em conta que o crimen falsi
teria constituído meio para o cometimento do delitofim,
resolvendo-se o conflito aparente de normas pela
aplicação do postulado da consunção, de tal modo que a
vinculação entre a falsidade ideológica e a sonegação
fiscal permitiria reconhecer, em referido contexto, a
preponderância do delito contra a ordem tributária.
Ademais, determinou-se que, o reconhecimento da
configuração do crime contra a ordem tributária,
afastada a caracterização do delito de falsidade
ideológica, tornaria pertinente a invocação, na
espécie, da Súmula Vinculante 24. Destacou-se que,
enquanto não encerrada, na instância fiscal, o
respectivo procedimento administrativo, não se
mostraria possível a instauração da persecução penal
nos delitos contra a ordem tributária, tais como
tipificados no artigo 1º da Lei 8.137/90. Esclareceuse
ser juridicamente inviável a instauração de
persecução penal, mesmo na fase investigatória,
enquanto não se concluir, perante órgão competente da
administração tributária, o procedimento fiscal
tendente a constituir, de modo definitivo, o crédito
tributário. Asseverou-se, por fim, que se estaria
diante de comportamento desvestido de tipicidade
penal, a evidenciar, portanto, a impossibilidade
jurídica de se adotar, validamente, contra o suposto
devedor, qualquer ato de persecução penal, seja na
fase pré-processual (inquérito policial), seja na fase
processual (“persecutio criminis in judicio”), pois
comportamentos atípicos não justificariam a utilização
pelo Estado de medidas de repressão criminal.” (STF –
HC nº 101.900 – SP – Rel. Min. Celso de Mello – J.
21.09.2010 – grifei).
“PENAL. PROCESSO PENAL. FALSIDADE IDEOLÓGICA. ARTIGO
299 DO CÓDIGO PENAL. SUPOSTA EMISSÃO DE RECIBOS DE
DESPESAS MÉDICAS IDEOLOGICAMENTE FALSOS. IMPOSTO DE
RENDA PESSOA FÍSICA. CRIME CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA.
LEI 8.137/90. PRINCÍPIO DA CONSUNÇÃO. INSUFICIÊNCIA DE
PROVAS. EXISTÊNCIA DE DÚVIDA RAZOÁVEL A FAVOR DA RÉ.
ABSOLVIÇÃO COM FUNDAMENTO NO ARTIGO 386, VII, DO CPP.
1. O crime de falsidade ideológica, tipificado no art.
299 do Código Penal é absorvido pelo crime contra a
ordem tributária (Lei n.º 8.137/90), não havendo que
se falar em delitos autônomos, tendo em vista a
previsão, no art. 1º, I, da conduta de prestar
declaração falsa às autoridades fazendárias.
2. A suposta emissão de recibos ideologicamente
falsos, indicando despesas fictícias com serviços de
saúde, aparece no contexto de possibilitar a redução
ou supressão do tributo. A potencialidade lesiva
desses supostos documentos ideologicamente falsos
encerrou-se no crime contra a ordem tributária.
Alteração da capitulação dos fatos.
3. As provas arregimentadas aos autos não dissipam as
dúvidas acerca da contribuição da ré para o evento
criminoso. Não há elementos nos autos no sentido de
que tenha sequer previamente consentido com a prática
ilícita, o que não permite a imputação da
responsabilidade penal, pois a prova testemunhal
aponta em sentido contrário àquele pretendido pela
acusação.
4. Absolvição da acusada diante da fragilidade dos
indícios existentes, com base no princípio in dubio
pro reo, que tem fundamentação no princípio
constitucional da presunção de inocência. Correta a
sentença que absolveu a ré com fundamento no artigo
386, VII, do Código de Processo Penal.5. Apelação do
Ministério Público não provida.” (TRF1ªR. – ACR
0002787-61.2006.4.01.3804 / MG, Rel. DESEMBARGADOR
FEDERAL NEY BELLO, TERCEIRA TURMA, e-DJF1 p.272 de
18/12/2014 – grifei).
No mesmo sentido:
“PENAL – Crime contra a ordem tributária – Lei
8.137/90 – Autoria e materialidade comprovadas. I. Uma
vez que a autoria e materialidade restaram
comprovadas, a condenação é medida que se impõe. II. O
delito previsto no artigo 1º, inciso I, da Lei
8.137/90 se consuma com a simples apresentação de
declaração falsa do Imposto de Renda. III. Recurso
provido parcialmente.”(TRF1ªR – ACr nº
2000.34.00.008.087-1 – DF – 3ª T. – Rel. Des. Federal
Tourinho Neto – DJ 07.03.2008 – v.u. – grifei).
Por este aspecto, desta forma, também seria competente para a
análise da acusação a Justiça Federal.
Em face do exposto, DECLINO da competência para a 13ª
Vara Federal de Curitiba/PR, para reunião do processo com aqueles
da “Operação Lavajato”.
Após a análise por aquele Juízo destes autos, caso entenda
restarem de competência estadual alguns dos delitos imputados aos
denunciados, fica ressalvada a hipótese de desmembramento e devolução
daquilo pertinente.
Da mesma forma que foi feito na decisão mencionada daquele
r. Juízo, que embasa este despacho, considerando a relevância que teve esta
denúncia, a natureza dos delitos e o interesse público, bem como a
publicidade dos atos processuais prevista no art. 5º, LX, da CF,
LEVANTO o sigilo sobre o processo.
Vez que não há informação sobre a compatibilidade do sistema
SAJ, usado na digitalização pelo TJSP, e o sistema utilizado pela Justiça
Federal do Paraná, materializem-se todas as peças e documentos recebidos
nos autos desde o oferecimento da denúncia, e remetam-se juntamente com
os autos físicos como apresentado pelo MPSP com a denúncia (PIC) à 13ª
Vara Federal de Curitiba/PR.
Como consequência lógica pela declinação da competência,
absoluta, deixo de analisar os pedidos de cautelares formulados na
denúncia, bem como o pedido de prisão preventiva, entendendo que não há
urgência que justifique a análise por este Juízo, até porque os
requerimentos já foram todos divulgados publicamente pelo próprio MPSP,
sendo de conhecimento inclusive dos indiciados.
Efetuem-se as anotações e comunicações necessárias.
Intimem-se e dê-se ciência ao Ministério Público.
MARIA PRISCILLA ERNANDES VEIGA OLIVEIRA
Juíza de Direito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *